Translate

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Das saudades de uma ex-intercambista



Que saudades de Dublin! De virar suas ruas e atravessar suas pontes. Cada uma diferente da outra, a Ponte dos Cadeados, a mais popular, e a Samuel Beckett Bridge,  em forma de harpa, a mais moderna e linda. De encontrar gente de todo mundo, de andar a cidade toda a pé. Que saudades das minhas amigas queridas, dos colegas de escola, dos passeios de dia e das baladas de noite! De aprender inglês, das crianças que olhei! Tem dias que a saudade é pouca, mas tem dias que ela aumenta, principalmente quando falo com meus amigos que ainda estão lá, os brasileiros que a gente tanto se identifica, mais que todos os estrangeiros.


Que saudades do frio, do vento, da chuva e da neve! Que saudades da Inglaterra, de Manchester, onde também morei e trabalhei por seis meses. Que saudades dos meus lindinhos de lá! Saudades da Amina, do Mohhamad, de brincar com eles. Saudades eternas deles! Como é bom sentir saudades... a gente se emociona ao lembrar de um lugar, mas quando se lembra das pessoas é muito mais forte! São quase três meses aqui de volta ao meu país e eu ainda sinto falta de estar lá!


Saudades para sempre! Dizem que depois de um tempo passa! Será? Que saudade de andar de Luas (metrô) e ônibus em Dublin, o veículo desliza e  parece voar, não balança como aqui, nunca é cheio, tem Wifi, dois andares, conforto, é muito diferente! Que saudades de fazer comprinhas na Penneys no fim de semana. De comprar coisas baratinhas e lindas! Que saudades dos meus lanches, sanduíches de baguete com linguiça e bacon,  e do meu restaurante chinês preferido.




Que saudades de andar pela O´Connel Street, tão larga, e sempre cheia de gente, mas tranquila para não atrapalhar o meu passeio. De olhar as vitrines dos shoppings, das lojas mais bonitas, de observar as pessoas, de ser totalmente anônima. De ficar sentada tomando um solzinho em qualquer lugar. Que saudades de estar descobrindo o mundo, viajando com amigos ou sozinha. Explorando o interior e outros países, de ser desbravadora, aventureira e livre.



Que saudades de ver os artistas tocarem na rua, dando verdadeiros shows na Grafton Street. Que saudades de sentir a vida mais devagar, sem pensar muito no dia seguinte. Que saudades de ser intercambista, de sentir este turbilhão de emoções  e energia. Que saudades de ser estrangeira, imigrante, estudante de línguas, Au pair, mulher e amiga dos meus amigos.



É uma vida que a gente constrói  do nada e que se torna tão importante, tão nossa, tão amada! O bom é que nada nos tira essa  experiência e o conhecimento que trazemos na bagagem. Tudo aqui agora, de volta, é novo, de novo! E temos que nos reinventar. O problema é que dá vontade de viajar toda hora!rsrsrs No próximo feriado talvez eu queira conhecer novos lugares! É que embarcamos no trem doce da vida! Não dá para voltar!



4 comentários:

Elton Assis disse...

Adorei o texto. Tô ainda andando pelo mundo e comecei a escrever um blog com todas as minhas desventuras. http://desventurasdeviagem.blogspot.com

Adriana Borges disse...

Que bom Elton! É muito legal compartilhar estas experiências que nos enriquecem tanto e inspiram também outras pessoas a embarcarem nessas aventuras e desventuras!

Mari B. disse...

Que delícia ler este texto....só me deixou ainda mais ansiosa pelo que me aguarda. Embarco pra Irlanda dia 7 de Maio!!!

Adriana Borges disse...

Que legal Mari B. Vc vai adorar! A Irlanda e Dublin são demais! Inesquecíveis! Aproveita bastante! beijos